ANTIDOPING – Lista de Substâncias Proibidas 2017

abcd-site

“O atleta é o único responsável por toda e qualquer substância que entra no seu corpo, independentemente de culpa, negligência ou ignorância”-  (Código Mundial Antidopagem – art. 2.1.1)

 

2017

Agência Mundial Antidopagem divulga a Lista 2017 de substâncias proibidas

 

A partir desta sexta-feira (30/09) a Agência Mundial Antidopagem (WADA-AMA) disponibiliza em seu site a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para o ano de 2017. Junto também está um resumo com notas explicativas das principais modificações ocorridas. A lista foi aprovada pelo Comitê Executivo no dia 21 de setembro e entra em vigor no dia 1º de janeiro de 2017.
O presidente da WADA-AMA, Craig Reedie, diz que a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos é umas dos cinco normas internacionais obrigatórias para todos os signatários do Código Mundial Antidopagem. Segundo ele, os atletas de todo o mundo devem seguir os padrões estabelecidos pela WADA-AMA e não pode haver nenhuma tolerância para que pessoas intencionalmente quebrem as regras. “Atualizada todos os anos, a lista é lançada com três meses de antecedência, antes de passar a valer definitivamente, para que todos os interessados – em especial atletas e pessoal de apoio – tenham tempo suficiente para se familiarizarem com as  lista e suas modificações”, disse ele.
“A Lista de Substâncias e Métodos Proibidos segue um amplo processo de revisão ao longo de nove meses”, explica o diretor geral da WADA-AMA,  Olivier Niggli. “Ao rever a Lista, os especialistas analisam aspectos como: pesquisa científica e médica; tendências; e, informações de inteligência obtidas a partir de aplicação da lei e as empresas farmacêuticas, a fim de permanecer à frente daqueles que desejam trapacear”, continuou Niggli, explicando ainda que é  vital que os atletas tenham o tempo necessário para consultá-la, e que entrem em contato com as suas respectivas Organizações Antidopagem – no caso do Brasil a Autoridade Brasileira de Controle Antidopagem (ABCD) – se tiverem dúvidas quanto a alguma substância ou método.
O processo de revisão anual da lista é liderado pela WADA, começando com uma reunião inicial em janeiro e concluído com a publicação da mesma até 1º de outubro de cada ano. Este é um extenso processo de consulta de nove meses que inclui a obtenção das informações que circulam, o envio para os interessados, as recomendações do Comitê e a aprovação da lista pelo Comitê Executivo da WADA durante a sua reunião de setembro.
Os atletas que por razão médica precisam fazer o uso de uma substância ou método proibido, podem solicitar uma Autorização de Uso Terapêutico (AUT), de acordo com o Padrão Internacional para Autorização de Uso Terapêutico (PIAUT).
A lista é disponibilizada no site da Agência Mundial Antidopagem, bem como em aplicativo para iPhone e em outros dispositivos móveis, a partir de 1º de janeiro de 2017.
Fonte: WADA
Ascom – Ministério do Esporte

Link : http://www.esporte.gov.br

 

 

WADAhttp://www.wada-ama.org

 

Agberto Guimarães – diretor executivo de esportes do COB (Comitê Olímpico do Brasil) fala sobre o Skate Olímpico no Brasil

TRECHO DA ENTREVISTA AO BLOG LANCE / LAGUNA OLÍMPICO 

Matéria na íntegra :   http://blogs.lance.com.br/laguna-olimpico/agberto-guimaraes-cob/

Foto : Saulo Cruz / Exemplus / COB

(…)

Pergunta: O skate brasileiro está envolvido em uma polêmica com a CBHP pleiteando para si a organização da modalidade, e a CBSk pedindo reconhecimento do COB, até criando abaixo-assinado oficial. De que forma o COB está lidando com esta situação?

Resposta : “Quando foi proposto ao COI incluir cinco novos esportes, cada um deles tinha que ter uma federação internacional reconhecida pelo COI que fosse o guarda-chuva deste esporte. Na história do movimento olímpico, o caratê lutava para ser olímpico muito antes até do que taekwondo. Não era reconhecido porque tinha várias federações internacionais, de categorias e modalidades diferentes. Não havia uma unidade, e o COI não o reconhecia como esporte, nem levava a chance de ser olímpico.

O taekwondo fez isso muito bem em Seul. Para fazer parte do programa de Seul, tiveram que eleger uma única federação internacional e a partir daí o COI votou para incorporá-lo no movimento olímpico e assim foi.

Quando estes novos esportes foram aprovados para 2020, já se sabia que o skate mundialmente não tinha uma federação única, mas várias associações e federações. A forma criada pelo COI foi incluir o skate na FIRS (Federação Internacional de Esportes sobre Rodas). A partir daí, com a federação internacional foi reconhecida, o COI anunciou para o mundo inteiro quais eram as federações de cada uma das cinco modalidades. Ficamos então esperando que a federação internacional de cada um destes esportes dissesse ao COB qual era a confederação que representava aquele esporte olímpico no Brasil. E a única confederação do Brasil reconhecida pela FIRS e pelo COI para o skate em 2020 é a CBHP (Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação), que está em processo de filiação ao COB.

Não pode ter duas confederações representando o mesmo esporte. A partir de agora, o que precisa ter agora é um trabalho entre a CBHP, a única reconhecida até segunda ordem pela FIRS, com o skate, para quem eles façam um trabalho em conjunto. Um é o representante legal da modalidade junto ao movimento olímpico e à FIRS e o outro é a entidade que tem efetivamente os atletas. Eles precisam trabalhar juntos.

Vamos buscar uma aproximação junto às duas confederações no sentido de auxilia-los neste trabalho. Essa briga não leva a lugar nenhum, não ajuda ter dois donos. Há um só canal de comunicação, tem um só representante oficial e um só reconhecido pela federação internacional e pelo COI. É por aí que a gente vai. Nossa interlocução será sempre com o órgão oficial representante daquela modalidade no país. Não posso fazer diferente.”

– Agberto Guimarães – Diretor executivo de esportes do COB

 

 

Leia também (Estadão)  : Nuzman garante ‘carta branca’ a Agberto Guimarães, novo diretor do COB

Outras publicações sobre o assunto

SKATEBOARDING – NOTA DE ESCLARECIMENTO 26/01/2017

NOTA DE ESCLARECIMENTO 26/01/2017

Em função do desconhecimento por parte do público inclusive de renomados atletas e da deliberada omissão por parte de alguns gestores de associações de Skate no Brasil vimos esclarecer o que segue:

A FIRS (Fédération Internationale de Roller Sports) é uma entidade filiada ao COI (Comitê Olímpico Internacional) desde 1978 sendo portanto a única entidade gestora de todos os esportes sobre rodas perante o movimento olímpico e por isto declarada pelo COI como “governing body of Skateboarding” para os Jogos Olímpicos de Tóquio/2020.

A FIRS também é a única Federação Internacional de esportes sobre rodas, regularmente filiada à ARISF (Association of IOC Recognised International Sports Federations) e SportAccord (Organisation for all Olympic and non-Olympic federations).

Nenhuma associação internacional de Skate possui filiação ou reconhecimento das entidades internacionais de caráter Olímpico, ou sequer não-Olímpico. Por esta razão não poderiam incluir ou muito menos assumir a gestão do Skate para os Jogos de Tóquio/2020, o que foi delegado pelo COI à FIRS.

Portanto, não é da alçada de nenhuma das associações internacionais existentes do Skate, determinar quais são as entidades nacionais a serem vinculadas aos seus respectivos Comitês Olímpicos. Esta prerrogativa é exclusiva da FIRS que, consultada pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil), confirmou que tem como única entidade brasileira filiada a Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação.

Leia também:


Segue abaixo  o  documento que permitiu a inserção do Skateboarding nas Olimpíadas, apresentado unicamente pela FIRS, que é a entidade reconhecida :

PDF : Skate perante o COI

Campeonato Pan-Americano de Skateboarding 2017 – República Dominicana

Vem aí o Campeonato Pan-Americano de Skateboarding 2017 – Oficial FIRS – Federação Internacional de Roller Sports – Entidade Reconhecida pelo COI – Comitê Olímpico Internacional #skateolimpico – Em maio na República Dominicana

 

Publicado por Patinaje Dominicano Fedopatin em Quarta, 18 de janeiro de 2017